Por que cada um tem diferentes pontos de vista?

Uncategorized Jun 02, 2017

As mensagens institucionais de entidades governamentais, embora planejadas a atingir a maioria das pessoas, com a estrutura de texto profissional, tenta informar de forma homogênea, supostamente, a todas as pessoas que, por ela são atingidas. Só que não.

Ao imaginarmos que emitimos a mensagem e ela foi entendida, muito pode acontecer até o final desse ciclo, quee as vezes, nem fecha da forma esperada.  

Você e dois amigos seus presenciam, juntos, a mesma cena: em frente á faculdade, na hora do intervalo, um garoto aparece do meio do nada, rapidamente arranca a bolsa de uma colega que está atravessando a rua e desaparece na confusão dos alunos…

Ao chegar em casa, você conta para seu irmão: “Vi uma coisa que não deu para acreditar: você não imagina a rapidez de um pivete que levou a bolsa de uma garota na porta da faculdade. O cara parecia um raio sem trovão. Entrou e saiu de vista em segundos e quase ninguém percebeu o que aconteceu! Não sei como tem gente que consegue ser tão rápida!”

Aquele outro colega, que estava com você naquela hora, comenta para os amigos e familiares o ocorrido: “A situação do Brasil está cada vez pior: hoje vi um garoto de uns 15 anos, magro e assustado, roubar a bolsa de uma colega da faculdade e sair correndo. E isso já está acontecendo até na porta da escola, cara, que mal!”

O terceiro amigo, por sua vez, ao chegar em casa, conta: “Mãe, hoje teve um assalto na porta da faculdade e você não imagina a cara da garota que ficou sem a bolsa: ficou com cara de assustada, primeiro, depois chorou um pouquinho e ficou falando ‘eu não acredito, eu não acredito’. Coitada!” 

O que diz na verdade essa três falas dos garotos? Como transferirmos esse exemplo a fim de efetivamente comunicar ações de governo e comunicação eleitoral? O que devemos fazer para uma comunicação com eficiência nas campanhas eleitorais? 

Este artigo completo você tem na Academia Mapa do VOTO